Artigos

Até que ponto devemos ser éticos na hora de usar perfume?

Por Daniel Barros (Convidado) | Perfumista

Se você entrar no site do grupo PETA (People for Ethical Treatment of Animals), especificamente neste link, pode se assustar com a quantidade de marcas na lista negra, ou seja, na relação de companhias que realizam testes em animais. O Grupo PETA é muito severo (como deve ser) e considera todos os pontos da cadeia – não adianta afirmar no site que não realiza teste em animais se comprar de um fornecedor que o faz. Um outro agravante é a decisão de uma marca de distribuir seus produtos na China. Por quê? A legislação daquele país obriga que todos os produtos importados passem por testes em animais. Ou seja, tais marcas entram automaticamente para a lista negra do PETA. Alguns exemplos conhecidos são Avon, Revlon, Estée Lauder, L’Oréal e Mary Kay.

A verdade é que hoje em dia testes em animais são desnecessários na perfumaria. Primeiro porque, se seguidos os regulamentos da IFRA (International Fragrance Association) em relação ao uso de componentes, não há a necessidade de se realizar testes em animais. Tudo isso já é trabalhado por cientistas em nível molecular, seja em materiais naturais ou sintéticos, com tolerâncias baixíssimas. É um assunto “quente” e todos estão de olho nisso, principalmente na União Europeia. Mesmo em casos específicos, testes podem ser feitos em pele sintética que reproduzem perfeitamente as condições naturais da pele humana. A questão parece ser mais econômica do que qualquer outra coisa. Em uma palavra: China. E quem vai querer abrir mão de um mercado com mais de um bilhão de consumidores potenciais? Isso pode ser a maior falácia de todas sabendo que os asiáticos no geral não estão habituados a usar fragrâncias.

É nesse ponto que podemos fazer uma provocação: até onde vai a nossa ética? Teríamos a consciência limpa sabendo que os nossos produtos comprados no Brasil não passaram por testes em animais, mas os mesmos tiveram uma história diferente em Xangai ou Pequim? Não é uma pergunta fácil de responder. Estée Lauder é proprietária de marcas de perfumes como Aramis, DKNY, Zegna, Michael Kors, Tom Ford e Tommy Hilfiger. L’Oréal gerencia as licenças de Armani, Cacharel, Diesel, Lancôme, Ralph Lauren e Yves Saint Laurent. Devemos então jogarmos fora nos perfumes e boicotarmos essas marcas como um todo? Só você pode responder à pergunta. Se tiver uma postura ortodoxa, provavelmente nem mesmo é usuário de fragrâncias. Ou então só compra de marcas comprovadamente veganas como Aveda, Lush, Aesop, L’Occitane, The Body Shop e Oriflame.

Enquanto você pondera sobre a questão, aproveito para convidá-lo a conhecer marcas veganas e a diversidade de fragrâncias que elas oferecem acessando este link de minha autoria: https://egoinvitro.com.br/vegano

Mais Notícias:

Precisamos mesmo de tantos cosméticos?

Artigos

O Romance de um assassinato em massa

Artigos

Nem “Coisas”, nem “Bens móveis”, animais são sujeitos de direito!

Artigos

Você sabia que o seu cosmético pode ter ação hormonal?

Artigos

Para onde vai a água que enxágua sua progressiva?

Artigos

Uma jornada em busca da beleza essencial

Artigos