Artigos

Como colorir os cabelos com consciência

Por Dra. Fabia Schalch | Médica Dermatologista

Enquanto a ciência não cria um método efetivo para o fim dos cabelos brancos, as tinturas permanecem ocupando o posto de principais aliadas na manutenção da beleza, juventude e estilo. Mas, existe algum perigo no uso constante desses cosméticos? Como esses produtos funcionam no nosso organismo, quimicamente falando?

Bom, temos basicamente 2 tipos de tinturas: as permanentes e as semi permanentes, também conhecidas por tonalizantes. Para que as permanentes funcionem, elas entram no fio do cabelo e provocam uma reação química que altera permanentemente a sua coloração. Para entrar no fio, precisam abrir a cutícula, camada protetora superficial, através do aumento do pH. A substância mais utilizada para isso é a famosa amônia. Dentro do fio ocorre uma reação de oxidação pela presença do peróxido de hidrogênio (água oxigenada) e as moléculas ficam grandes, não conseguindo mais sair de dentro do fio.

Atualmente já existem tinturas livres de amônia no mercado, mas para que as moléculas possam penetrar no fio, há a presença de outra substância responsável pela abertura da cutícula: a etanolamina, com potencial de menor agressividade. Mas tanto a amônia, quanto a etanolamina, removem a camada lipídica protetora da cutícula, causando danos aos nossos fios. Por isso a importância da constante hidratação e uso de xampus ácidos para selarmos novamente a cutícula, devolvendo o brilho e o toque sedoso dos cabelos. 

As tinturas semi permanentes (tonalizantes) apresentam moléculas menores e não geram reação química dentro do fio. Algumas utilizam a etanolamina em baixas concentrações para uma abertura da cutícula mais suave. Por não serem permanentes, após 10-15 lavagens os fios voltam a cor natural. Também é importante salientar que os tonalizantes não conseguem clarear os cabelos, apenas manter o tom natural ou atingir tons mais escuros. 

Vemos que é muito comum a divulgação dos malefícios da amônia nas tinturas. Será que existem outros componentes das tinturas que podem ser danosos ?

No passado, muitas tinturas apresentavam metais pesados em sua composição. Por esse motivo elas traziam riscos de contaminação para o organismo. Mas felizmente os produtos modernos não apresentam mais essas concentrações de metais pesados.

Os principais componentes presentes nas tinturas atuais, tanto permanentes como tonalizantes são: parafenilenodiamina, paratoluenediamina, para-aminofenol, peróxido de hidrogênio e resorcinol, este último já está sendo removido da composição de alguns produtos. Todos eles podem causar reações alérgicas, sendo o principal a parafenilenediamina (PPD). Há casos descritos na literatura de fortes reações alérgicas com esse componente. 

Associação das tinturas ao câncer 

Muitos dos componentes descritos apresentam efeitos mutagênicos (alteram o DNA) em estudos in vitro. Mas ainda faltam fortes evidências com estudos bem elaborados para provarmos essa associação in vivo.

Tinturas e gravidez

Também faltam bons estudos para termos segurança do uso desses cosméticos na gestação e na lactação. Um estudo brasileiro de 2013 indica que pode haver associação do uso de tinturas com a leucemia em bebês de até 2 anos, filhos de mulheres que mantiveram o uso de tinturas na gestação e na lactação, com evidência mais forte naquelas que fizeram uso no primeiro trimestre. Infelizmente o estudo não demonstra outros fatores de risco que essas mães também estariam expostas.

A recomendação atual é que as tinturas sejam evitadas na gestação, principalmente no primeiro trimestre e na lactação. 

Importante também salientar que as grávidas apresentam alteração na sua resposta imune (defesa do organismo) e alergias podem ser desencadeadas com maior facilidade. 

Hennas são realmente menos nocivas? 

A henna é a única coloração de origem natural (Lawsonia inermis) e tem potencial de dar aos cabelos apenas a tonalidade vermelha. Mas, apesar de naturais, há estudos comprovando a associação do uso de henna com alergias respiratórias e urticária. Além disso, é muito comum a comercialização de hennas sintéticas e é importante o consumidor ficar atento quanto a isso. Se há promessa de colorir com outros tons com henna, sua origem é sintética e as substâncias acima citadas devem estar presentes, leia o rótulo dos produtos que você compra sempre com o máximo de atenção.

Colorir, embelezar, rejuvenescer… Conhecendo o que há por trás dos rótulos e como agem quimicamente os cosméticos nós podemos fazer escolhas mais conscientes para a nossa saúde.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1) Int J Trichology. 2015 Jan-Mar; 7(1): 2–15.

Hair Cosmetics: An Overview

Maria Fernanda Reis Gavazzoni Dias

2)Chemico-Biological Interactions 205 (2013) 46–52

Pregnancy, maternal exposure to hair dyes and hair straightening

cosmetics, and early age leukemia

Arnaldo C. Couto a, Jeniffer D. Ferreira a, Ana C.S. Rosa a, Maria S. Pombo-de-Oliveira b,Sérgio Koifman a,, Brazilian Collaborative Study Group of Infant Acute Leukemia 

3)Actas Dermosifiliogr. 2014 Nov;105(9):833-9. doi: 10.1016/j.ad.2014.02.004. Mar 20.

Hair cosmetics: dyes.

Guerra-Tapia A1

4)BMJ Case Rep. 2014; 2014: 

Published online 2014 Mar 31.

Case Report

Severe facial swelling in a pregnant woman after using hair dye

Michel E van Genderen,1 Ginette Carels,1 Edward R Lonnee, 2 and Adriaan Dees1


Mais Notícias:

Precisamos mesmo de tantos cosméticos?

Artigos

O Romance de um assassinato em massa

Artigos

Nem “Coisas”, nem “Bens móveis”, animais são sujeitos de direito!

Artigos

Você sabia que o seu cosmético pode ter ação hormonal?

Artigos

Para onde vai a água que enxágua sua progressiva?

Artigos

Uma jornada em busca da beleza essencial

Artigos