Artigos

Silicone, Petrolatos e a tendência Low Poo

Por Dra. Fabia Schalch | Médica Dermatologista

Antes dos anos 50, os cuidados com os cabelos se restringiam a alguns produtos como xampus pesados e condicionadores oleosos. Uma verdadeira revolução tem acontecido nas últimas décadas, levando o mercado deste tipo de produto a lucrar U$ 4,3 bilhões no fim do ano de 2015.

Um dos responsáveis pela mudança no panorama dos cosméticos capilares foi a introdução maciça dos silicones nas fórmulas, e hoje já faz parte de aproximadamente 60% dos produtos.

O silicone é um composto semi-orgânico por não ser constituído principalmente de carbono, mas sim de silício e oxigênio, com fórmula geral (R2SiO)n. Essa estrutura torna o silicone flexível e o ajuda a se espalhar uniformemente pela superfície do cabelo. Permite espaços na cobertura do fio, para passagem de moléculas, ao mesmo tempo que dá cobertura leve, emoliente, de toque sedoso e com alto índice de refração, o que confere brilho. Além disso, são altamente resistentes ao calor, sendo uma grande descoberta para os produtos de proteção térmica. 

Diante de um mercado cada vez mais exigente quanto a origem, sustentabilidade e interação ambiental, os silicones, apesar destas características químicas únicas, entraram em discussão dentro do mercado orgânico e natural. O silicone continua sem receber o rótulo de produto “green”, com algumas entidades da área o aceitando como permitido em produtos regulares, mas não em produtos considerados premium dentro das linhas naturais. Em revisão feita pelo SCCS (Scientific Comittee on Consumer Safety), órgão da União Européia, concluiu-se que o silicone não apresenta riscos para a saúde humana. Entretanto, quanto aos efeitos ambientais, os relatórios ainda são conflitantes e geram dúvidas. O que se sabe é que os silicones não voláteis se acumulam no esgoto. Seus produtos finais de degradação são o dióxido de carbono, vapor de água e dióxido de silício.

Uma forte tendência do mercado atual é a utilização dos xampus Low Poo e No Poo, com redução ou ausência de Lauril sulfato em suas formulações, outro ativo que vem sendo bastante discutido quanto aos danos que pode gerar no fio e ao ambiente. Esse composto é um forte detergente surfactante, que oferece limpeza profunda dos fios e é capaz de remover os silicones não solúveis e os ligados a perolados. A busca por esses novos produtos capilares nos faz questionar também qual o tipo de silicone que está presente em outros produtos de uso concomitante, já que dependendo do tipo de silicone, há a necessidade da remoção por um forte surfactante. 

Tipos de silicone

Alguns silicones utilizam Petrolatos em sua composição. Os Petrolatos encapam os fios de cabelo, impedindo a passagem de moléculas no fio e, com uso sucessivo, acabam gerando o efeito “build up” de acúmulo nas hastes capilares, removidos apenas com o uso de fortes surfactantes como o Lauril sulfato.

Os demais silicones são divididos em solúveis e insolúveis em água, estes também apresentando leve efeito "build up”, com necessidade de remoção por surfactentes.

Os solúveis são os de maior indicação para os adeptos do No Poo.

Abaixo, os principais silicones e Petrolatos classificados, facilitando nossa interpretação dos rótulos.

Silicones solúveis em água

Dimethicone Copolyol

Hydrolyzed Wheat Protein Hydroxypropyl Polysiloxane

Lauryl methicone copolyol

PEG-33 (e) PEG-8 Dimethicone (e) PEG-14

PEG-7 Amodimethicone

Dimethicone PEG-8 Phosphate

Ammonium Dimethicone PEG-7 Sulfate

Dimethicone PEG-8 Adipate,

Dimethicone PEG-8 Benzoate,

Dimethicone PEG-7 Phosphate,

Dimethicone PEG-10 Phosphate,

Dimethicone PEG/PPG-20/23 Benzoate, 

Dimethicone PEG/PPG-7/4 Phosphate,

Dimethicone PEG/PPG-12/4 Phosphate,

PEG-3 Dimethicone,

PEG-7 Dimethicone,

PEG-8 Dimethicone,

PEG-9 Dimethicone,

PEG-10 Dimethicone,

PEG-12 Dimethicone,

PEG-14 Dimethicone,

PEG-17 Dimethicone,

PEG/PPG-3/10 Dimethicone,

PEG/PPG-4/12 Dimethicone,

PEG/PPG-6/11 Dimethicone,

PEG/PPG-8/14 Dimethicone,

PEG/PPG-14/4 Dimethicone,

PEG/PPG-15/15 Dimethicone,

PEG/PPG-16/2 Dimethicone,

PEG/PPG-17/18 Dimethicone,

PEG/PPG-18/18 Dimethicone,

PEG/PPG-19/19 Dimethicone,

PEG/PPG-20/6 Dimethicone,

PEG/PPG-20/15 Dimethicone,

PEG/PPG-20/20 Dimethicone,

PEG/PPG-20/23 Dimethicone,

PEG/PPG-20/29 Dimethicone,

PEG/PPG-22/23 Dimethicone,

PEG/PPG-22/24 Dimethicone,

PEG/PPG-23/6 Dimethicone,

PEG/PPG-25/25 Dimethicone,

PEG/PPG-27/27 Dimethicone

PEG-40/PPG-8 Methylaminopropyldimethicone crosspolymerSilicones

Silicones insolúveis em água:

Amodimethicone

Cetearyl methicone

Cetyl Dimethicone

Cyclomethicone

Cyclopentasiloxane

Dimethicone (presente na maioria tem dos cosméticos)

Dimethiconol

Dimethicone Crosspolymer

Vinyl Dimethicone Crosspolymer

Vinyl Dimethicone

Methicone Silsesquioxane Crosspolymer

Cetearyl Methicone

Cetyl Dimethicone

Behenoxy Dimethicone

Stearoxy Dimethicone

Stearyl Dimethicone

Trimethylsilylamodimethicone

Simethicone

Polydimethylsiloxane

Methicone

Phenyl Trimethicone

Dimethylpolysiloxane

Bis-Aminopropyl Dimethicone

propoxytetramethyl piperidinyl dimethicone (PTMPD)

Derivados de petróleo :

Petrolatum/petrolato

Mineral Oil/óleo mineral

Parafinum Liquid/parafina líquida

Vaselina

Isoparaffin

C13-14 Isoparaffin

C12 - 20 Isoparaffin

Isododecane

Isodedecene

Alkane

Dodecano/Dodecane

Dodeceno/Dodecene

Embora considerados seguros como cosméticos e de baixo impacto ambiental, a indústria pesquisa novas alternativas aos silicones, impulsionada por uma demanda crescente de produtos naturais e pela diminuição do uso do lauril sulfato.

Alternativas possíveis, apesar da dificuldade de se encontrar ativos tão versáteis como os silicones, seriam blends de hidrocarbonetos derivados do óleo de côco, emolientes da oliva e alguns ativos que estão sendo patenteados, prometendo alto grau de condicionamento e proteção dos cabelos, com leveza e brilho.

http://www.cosmeticsandtoiletries.com/testing/efficacyclaims/Heat-Protection-Getting-Warmer-Specialty-Silicones-for-Hair-382519371.html?prodrefresh=y&ajs_aid=c5f06f42-4140-433e-9307-0e337c217027&ajs_uid=3247B1818812G1X

http://www.cosmeticsandtoiletries.com/formulating/category/haircare/How-Silicones-Shape-the-Hair-Care-Industry-A-Review--311509211.html?ajs_aid=c5f06f42-4140-433e-9307-0e337c217027&ajs_uid=3247B1818812G1X

http://www.cosmeticsandtoiletries.com/formulating/function/moisturizer/7653302.html

http://www.cosmeticsandtoiletries.com/research/chemistry/Silicone-Safety-and-the-Cosmetic-Industrypremium-231904601.html

http://www.cosmeticsandtoiletries.com/formulating/function/feelenhancer/Are-Silicones-Safe-and-Sustainable-What-are-the-Alternativespremium-278439561.html


Mais Notícias:

Precisamos mesmo de tantos cosméticos?

Artigos

O Romance de um assassinato em massa

Artigos

Nem “Coisas”, nem “Bens móveis”, animais são sujeitos de direito!

Artigos

Você sabia que o seu cosmético pode ter ação hormonal?

Artigos

Para onde vai a água que enxágua sua progressiva?

Artigos

Uma jornada em busca da beleza essencial

Artigos